Amanhã, às 16h será inaugurada, na Uerj, a Sala Abdias Nascimento, pelo Grupo de Estudos Tornar Ser Negro e Negra. o espaço fica no 9º andar, no Auditório 91.

16h – Exibição de Filmes. Hall do 9º andar

17h – Pré-lançamento coleção *Sankofa – Matrizes Africanas da Cultura Brasileira*.
Vol 1 – A matriz africana no mundo
Vol 2 – Cultura em movimento. Matrizes africanas e ativismo negro no Brasil
Org. Elisa Larkin Nascimento. Editora Summus – Selo Negro Edições

18h – Mesa de Abertura
Ministro Edson Santos
Abdias Nascimento
Clarissa França – Denegrir

19h – Leitura dramatizada da peça *Sortilégio – mistério negro*, de autoria de Abdias Nascimento
*Direção* Tatiana Tiburcio – com Daniela Tibau, Tatiana Tiburcio, Sidney Batista, Tatiana Henrique, Érika Ferreira, Sílvia Castro – Percussão: Seu Hélio, Alex

20h – Homenagem a Abdias Nascimento

20h30min – Inauguração da sala Abdias Nascimento – Grupo de Estudos Tornar Ser Negro e Negra
Coquetel

Anúncios

Hoje, durante um churrasquinho de primeira, a escola disponibilizará o resumo do enredo de 2009 (Abram-se as cortinas! Bravo! 100 anos do Theatro Municipal em cena aberta na Sapucaí) e o mapa de desfile. Além disso, serão distribuídos o calendário da disputa e as regras.

 

A quadra da agremiação fica na Rua Pio Dutra, 279, Freguesia – Ilha do Governador.

Se você curte parar na Rua Uruguaiana, Largo da Carioca e outros pontos da cidade para curtir as apresentações dos artistas de rua, vai adorar o site http://artistaderua.com/wp/o_projeto/ onde encontrará dezena de vídeos com performances que variam de circenses a teatrais.

Estará em cartaz até o dia 13 de julho, no Teatro Ipanema (Rua Prudente de Moraes, 824), a peça MACHADO A 3 x 4 – pouco sabem, mas o ícone da literatura brasileiro era da cor!.  O espetáculo é uma adaptação do conto O Alienista. E os ingressos impressos no http://machado3x4.blogspot.com  saem por R$ 10.

 

As sessões são às quintas-feiras e sextas-feiras às 21h; sábados as 21h30; e domingos as 20h30min. Duram 90 min e tem faixa etária de 16 anos.

Estréia dia 5 de julho, no Teatro Carlos Gomes, Eu sou o Samba, uma homenagem à titulação do ritmo, símbolo do Rio, como patrimônio imaterial brasileiro. O espetáculo de Fátima Valença e direção de Fábio Pilar conta a história do samba, desde a África à sua afirmação como cultura carioca – entre os anos 20 e 70.

 

Na produção do musical estão envolvidos grandes nomes como: a carnavalesca Rosa Magalhães, o jornalista João Máximo, o maestro Helvius Vilela, a arquiteta e cenógrafa Doris Rollemberg e o coreógrafo Carlinhos de Jesus. 

Eu sou o Samba envolve 16 atores, orquestra com 8 músicos , 24 cenários, 186 figurinos e 72 perucas.

O Expresso Cultural Caça Talentos está com inscrições abertas, até dia 20 de junho, para as oficinas de teatro, dança, canto, cinema, TV, artes plásticas –faixa etária livre-, ginástica laboral (exclusivamente para 3ª idade), contação de histórias (exclusivamente para educadores e atores), roterização teatral (adolescentes, adultos e 3ª idade), oratória para universitários (técnicas para apresentações de trabalhos acadêmicos e monografias), jogos e brincadeiras (exclusivamente para educadores e atores) e artesanato (adolescentes, adultos e 3ªidade).

 

Os interessados devem enviar e-mail para: magdaresende@ hotmail.com e colocar no assunto ‘expresso cultural’.  No corpo da mensagem deve contar o seguinte formulário preenchido:

Nome completo:

Idade:

Cidade onde mora:

Oficina que pretende fazer:

Tem alguma experiência na oficina escolhida? (   ) SIM   (    )  Não

(caso sua resposta seja SIM descreva esta experiência)

Tem disponibilidade para estudar dia de semana ou só aos sábados?

Em quais horários?

Até domingo, 27, está em cartaz, na Caixa Cultural, uma seleção de filmes africanos e sobre a diáspora negra para o Rio de Janeiro. As sessões começam às 19h, e os ingressos custam R$ 4,00. O espaço fica na Av. Almirante Barroso, 25, Centro.

Programação
Dia 24
Menged
Ficção –
Adaptação de um conto popular etíope, sobre a trajetória de um pai e seu filho até o mercado.
Vencedor do Urso de Cristal.
Origem: Etiópia – Classificação: Livre

Mortu Nega
Ficção –
No interior da Guiné, lutando contra a presença colonial, o exército de libertação constrói o dia-a-dia entre a vida comunitária e o percurso para a independência de seu país. O filme marca a estréia do cineasta Flora Gomes.
Origem: Guiné-Bissau – Classificação: 12 anos

Dia 25
Balé de pé no chão
Documentário –
História de Mercedes Baptista, principal precursora da dança afro-brasileira.
Bailarina de formação erudita, cria seu grupo na década de 50, e estuda os movimentos do candomblé e das danças folclóricas.
Vencedor do Prêmio Palmares de Comunicação 2005.
Origem: Brasil – Classificação: Livre

Hollow City – Cidade Vazia
Ficção –
Narra a trajetória de um menino órfão, que, assim como muitos outros de sua geração, lutam pela sobrevivência em Angola que está devastada após a revolução civil.
Vencedor do Festival de Filmes de Paris.
Origem: Angola – Classificação: Livre

Dia 26
Maria sem graça
Ficção –
Maria das Graças, menina negra de 12 anos, moradora da periferia de São Paulo, atormenta a vida de sua mãe para alcançar seu maior sonho: ser a apresentadora Xuxa Meneghel.
Selecionado para o Festival Internacional de curta-metragens de São Paulo.
Origem: Brasil – Classificação: Livre

Família Alcântara
Documentário –
História de uma família extensa, cujas origens remetem-se à bacia do Rio Congo, na África. Através de gerações, preservam sua história, com o coral, teatro e a congada.
Premiado no 11º Festival de Cinema e Vídeo de Cuiabá.
Origem: Brasil – Classificação: Livre

Dia 27
The Ball
Ficção –
Em um país que luta para combater a Aids, 20 milhões de preservativos são distribuídos, isto é, 5 por pessoa por ano. Muitos as usam de outra forma, como por exemplo, os garotos que as utilizam para fazer bolas para jogar futebol.
Origem: Moçambique – Classificação: Livre

O Herói
Ficção –
Um soldado mutilado na explosão de uma mina volta à Luanda, após 20 anos de combates. No elenco o senegalês Makena Diop, as brasileiras Maria Ceiça e Neuza Borges.
Premiado no Festival de Sundance (EUA) e no Festival de Cinema Africano de Milão, entre outros.
Origem: Angola – Classificação Livre